19/07/2022 às 11h49min - Atualizada em 19/07/2022 às 11h49min

Com Selic em 2 dígitos, renda fixa é a preferida dos investidores no Pará

Levantamento feito pelo Santander Brasil mostra que ela representa 39% do total da carteira em todo o Brasil e 35% entre os clientes paraenses.

Assessoria de Imprensa Santander Nordeste/Norte/Espírito Santo
Luciane Effting, superintendente executiva de Investimentos do Santander Brasil.

Assim como ocorre em todo o País, a crescente alta nos juros está motivando os investidores paraenses a migrar seus investimentos para a renda fixa. De julho de 2021 a março deste ano, a parcela investida nesta modalidade por clientes moradores no Pará cresceu de 32,22% para 35,50%. Neste mesmo período, a Selic (taxa básica do País) passou de 4,25% para 12,75% - hoje se encontra em 13,25%. Os dados fazem parte de um levantamento realizado pelo Santander Brasil com clientes em todo Brasil.

No Brasil todo, a parcela na renda fixa representa em média 39% da carteira de investimentos, segundo o estudo. São considerados os investimentos em Certificados de Depósitos Bancários (CDB), Letras de Crédito Imobiliário (LCI), Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) e títulos públicos do Tesouro Direto.

“A renda fixa sempre teve um protagonismo grande entre os brasileiros e, com os dois dígitos na taxa de juros, isso fica ainda mais evidente. Esse aumento na modalidade também mostra um apetite menor ao risco em um ano bastante desafiador para os investimentos”, afirma Luciane Effting, superintendente executiva de Investimentos do Santander Brasil.

Com a busca por mais segurança, a previdência privada aparece como a segunda em preferência pelos investidores analisados no Pará, assim como ocorre no restante do Brasil. De acordo com o levantamento, de julho de 2021 a março de 2022, essa parcela caiu de 32,13% para 30,38%. De janeiro a março deste ano, a Zurich Santander Seguros e Previdência captou quase R$ 500 milhões nos planos de previdência entre investidores pessoa física.

Os fundos de investimento, que na classificação geral também tiveram uma queda para 24,89% em março de 2022, são o terceiro investimento preferido dos paraenses com 21,57%. Em julho de 2021, essas aplicações ocupavam 22,37% da carteira dos moradores do estado.

Junto com a renda fixa, os Certificados de Operações Estruturadas (COEs) também tiveram crescimento entre os investidores paraenses ano passado para este ano, quase dobrou, chegando a 1,93% em março de 2022 do total.

De acordo com a pesquisa do Santander, a captação foi destaque, saindo de R$ 184 milhões no primeiro trimestre do ano passado para R$ 555 milhões no mesmo período deste ano, o que representa um crescimento extraordinário de mais de 300%.

“Num cenário de tanta incerteza, como o atual, essas estruturas são uma oportunidade para os clientes, já que é possível apostar na alta de um determinado índice com garantia do capital protegido. As mais demandadas têm sido do tipo ganha-ganha, onde o cliente acredita na valorização de um índice (como Ibovespa, S&P500 ou IPCA) e, caso não aconteça, ele ganha um retorno fixo como 10% ao ano, por exemplo”, afirma Luciane.

Outros investimentos

Com o avanço da renda fixa, a renda variável acabou perdendo espaço, registrando queda tanto nos investimentos em ações quanto nos fundos imobiliários.

Por outro lado, os títulos de crédito privado, como Debêntures, Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), que também se beneficiam da alta dos juros, avançaram de um ano para outro. O levantamento levou em conta os investidores do Santander em todo o País, sem considerar a caderneta de poupança.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://portaljornalismonaamazonia.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp